quinta-feira, 31 de março de 2011

Marcela

A Marcela que vocês conhecem completa hoje 23 anos. Era morena, depois um curto período descolorida e loira, voltou ao castanho escuro. Rosto redondinho, nariz afilado, lábios delicados e sobrancelhas bem definidas. É tão branquinha que até da vontade da gente apertar só pra ver se fica vermelhinho o lugar pressionado. No alto de seus saltos elegantíssimos atinge a marca de um metro e setenta e poucos centímetros (isso a faz pensar que fica do meu tamanho... bobinha), quanto ao lápis nos olhos... eu também quase nunca a vejo sem. Tem temperamento sério, poucos sorrisos pra quem não a conhece, mas depois de um olá ela se desarma. Estudante de engenharia elétrica, tem problemas com a matemática ou a matemática causa nela problemas, ou os problemas que a matemática... ah esquece essa parte. Também quer ser administradora, por isso se dedica a outra formação superior. Tudo isso sem esquecer de seus afazeres na empresa onde trabalha. A Marcela que vocês conhecem é super dedicada à igreja que faz parte, a Assembléia de Deus, integrante do grupo de louvor, do coral, e é vice-dirigente dos jovens. Tem opinião forte, principalmente sobre temas relacionados à igreja e ao evangelho, mas está sempre disposta a ouvir outros pontos de vista. É viciada em internet, MSN, blogs, twiter e seguem-se os demais.

Agora...

A Marcela que eu conheço... uma das pessoas mais brabas que eu já vi!!! Dirige seu carro melhor do que muitos amigos meus, mas reclama cobras e lagartos no transito se presencia alguma barbeiragem, e pasmem, ainda diz: só pode ser mulher.
É também tão sensível quanto a rosa mais delicada do jardim cuidado pelo melhor floriculturista do mundo. Ela não chora por fora, mesmo que esteja ferida, magoada ou aflita por dentro. Por isso admiro sua fortaleza interior, seus planos mirabolantes, seus pensamentos frenéticos incessantes e interligados com tudo que você possa imaginar.
A Marcela que eu conheço é tão dedicada quanto bagunceira, não perde um ensaio, e não gosta de chegar atrasada, mas entre naquele Fox preto e depois me conte se o tsunami que aconteceu foi mesmo no Japão.
Ela é linda, carinhosa, amiga, leal, companheira, comparsa. E tem, pra mim, o beijo mais bem beijado que alguém já pôde beijar.
Eu a chamo de beiber, a encontrei depois de alguns desencontros e a escolhi pra mim. Depois de ter pedido permissão a Deus e ao Sr Edmilson, claro.
É minha noiva e em breve será minha esposa, com quem terei muitos filhos na nossa casinha branca.

Parabéns meu amor.

André Torricelli  

quarta-feira, 30 de março de 2011

Os lugares fáceis


Um homem, conhecido por sua habilidade em galgar árvores, ajudava alguém a subir numa árvore muito alta. Ele mandou o sujeito cortar os ramos da copa e, nesse momento aparentemente tão perigoso, não disse nada. Só quando o sujeito começou a descer e chegou à altura dos beirais é que o especialista gritou: ”Cuidado! Veja onde pisa ao descer!”.

Eu lhe perguntei, ”Por que disse aquilo? Naquela altura ele poderia pular se quisesse”.

“É essa a questão”, disse o especialista. ”Quando ele estava lá em cima, numa altura estonteante, e os ramos ameaçavam quebrar, o seu medo era tão grande que eu não disse nada. Os erros são cometidos sempre que as pessoas chegam aos lugares fáceis.

–Yoshida Kenkō, em ”Ensaio sobre o ócio”

terça-feira, 29 de março de 2011

5 coisas que você não sabe sobre mim

  1. Eu estudo em duas faculdades, em cursos completamente diferentes;
  2. Eu discuto no trânsito, principalmente quando meu vidro está fechado (hehe);
  3. Eu como de tudo, se for bonito, se for cheiroso, se eu estiver com fome, e se não for beterraba;
  4. Não suporto quando algo foge do meu controle, principalmente os horários;
  5. Eu tenho insônia quando estou muito feliz.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Jovem 'de Deus'

Depois o rei ordenou a Aspenaz, o chefe dos oficiais da sua corte, que trouxesse alguns dos israelitas da família real e da nobreza: jovens sem defeito físico, de boa aparência, cultos, inteligentes, que dominassem os vários campos do conhecimento e fossem capacitados para servir no palácio do rei. Ele deveria ensinar-lhes a língua e a literatura dos babilônios. Daniel 1:3-4


É comum vermos nas igrejas jovens designados como sendo 'de Deus'. Geralmente são denominados assim os "pregadores da palavras". Futuros ministros do evangelho. E coisas do tipo.
Não acho errado que alguns jovens almejem ser obreiros, pastores, apóstolos, ou etc. Mas me irrita profundamente ver que a 'grande massa evangélica' gosta de denominar esses meninos como 'obreiros aprovados', como aqueles que serão 'o futuro da igreja'. E por aí vai... como se somente esses 'pregadores' pudessem ser jovens de sucesso, ou melhor, jovens de Deus.
Eu vejo o exemplo de Hananias, Misael e Azarias e percebo que diferente de Daniel eles não exerceram nenhum tipo de ministério profético, ou de revelação de sonhos. Mas a palavra deixa claro que eles eram cultos, inteligentes, e dominavam vários campos do conhecimento. Sem esquecer que eles adoravam ao Deus Todo-Poderoso, não existia nada neles que pudéssemos chamar de 'vocação ministerial'. Mas ainda assim está muito claro ( e depois da fornalha ardente, fica mais ainda ) que eles eram jovens escolhidos por Deus, e porque não dizer: jovens de Deus.
Um jovem pode não exercer nenhum ministério em sua congregação, mas ser um testemunho vivo do evangelho na faculdade e/ou em seu trabalho. Pode não ser um intrépido 'pregador da palavra', mas pode falar do amor de Deus com simplicidade enquanto conversa e, consequentemente, evangeliza um colega. Pode não ter 'nomes ou cargos', mas pode ser bem sucedido no seu trabalho, ou um bom aluno na sua faculdade/escola e assim glorificar o nome de Jesus com sua dedicação. Enfim, pode ser um jovem de Deus.
Não porque ele recebe oportunidade para pregar aos domingos, ou em cultos especias. Mas sim, porque exala o amor e vida de Jesus por onde passa.

O rei conversou com eles, e não encontrou ninguém comparável a Daniel, Hananias, Misael e Azarias; de modo que eles passa­ram a servir o rei. O rei lhes fez perguntas sobre todos os assuntos que exigiam sabedoria e conhecimento, e descobriu que eram dez vezes mais sábios do que todos os magos e encantadores de todo o seu reino. Daniel 1:19-20

Minha oração é que cada vez mais tenhamos menos jovem que queiram nomenclaturas e cargos eclesiásticos, e mais jovens que desejem levar o nome de Jesus por onde andarem.

Em Cristo,
Marcela


sexta-feira, 25 de março de 2011

Descanso


Se não me engano, esse já é o segundo "inspire-se" só esse mês com o tema: descanso. Mas é que, mais do que nunca, ando precisando. Tudo está muito bem. Mas nem por isso deveria dormir menos. Aproveite o fim de semana, DESCANSE!

Inspire-se

quinta-feira, 24 de março de 2011

Cris Barros para Riachuelo

Eu sei. Eu sei que todos já falaram e ainda estão falando disso. Até no Jornal (acho que do SBT) passou uma matéria sobre esse assunto. E mesmo assim, hoje escolhi falar, ou melhor, mostrar a (uma parte da) Coleção da Cris Barros para Riachuelo.


Pra quem não sabe Cris Barros é uma estilista brasileira mundialmente reconhecida e seguida. Suas criações lançam tendências e ela é a queridinha das fashionistas. Para saber mais, vá na wikipedia. Mas indico a matéria feita sobre ela na Revista TPM.

P.S.: A imagem passou um pouco da linha limite da postagem. Mas, quem se importa, ne?!

terça-feira, 22 de março de 2011

Sobre dias de aprendizado


Março sempre me reserva algo especial. E sinto que o março de 2011 quer me ensinar muito mais coisas do que eu estava disposta aprender. Altamente controladora planejei um mês feliz e pacato, mas ele escorreu entre os meus dedos e fugiu do "controle" que eu achava que poderia ter sobre ele.
De fato, reconheço que preciso ser mais tolerante. Com as pessoas, com o tempo e comigo mesma. Pena não ser esse um aprendizado tão fácil. Mas março está tentando me ensinar.
Ensinar que não dá pra ter o controle do próximo dia. Quando a gente acha que não tem como melhorar, aí melhora. E o contrário também é verdade.
Reconhecer e aceitar tal verdade é o primeiro passo e o mais difícil de todos. Confesso que esse passo ainda não dei. Entretanto, sinto que está ficando cada vez mais necessário.
"A expectativa é a mãe da decepção". É! Eu ainda não me esqueci disso. Ter auto-controle para esperar com realismo os fatos, datas e planos é crucial. Difícil mesmo é colocar isso em prática. Pior ainda é sofrer (e se decepcionar) por não tentar.

Definitivamente, este março é de muito aprendizado! 

segunda-feira, 21 de março de 2011

Verdade com amor

(...)
Certa vez um pastor disse: “Caráter não tem nada a ver com opção religiosa!” Eu concordo com isso! Em suma, posso não concordar com as opções de alguém, mas Deus me manda amar, orar e mostrar a verdade com amor. Se me furtar a essa atribuição então a igreja deixa de ser um porto seguro para pessoas como Mel e eu não poderei questionar se futuramente não aliarem a palavra cristão à palavra Graça.

Alexandre Pepe Parabocz


Para ler o todo o artigo, clique no nome do autor.
P.S.: Vale a pena!

sábado, 19 de março de 2011

ELE

Ele tem um jeito que é só dele. Desenvolvido, e desenvolvendo-se, desde 28 anos atrás. Um jeito que cativa quem se aproxima. De parentes a atendentes de caixa de estacionamento.
Ele diz sem modéstia o quanto é simpático e quem se aproxima acaba concordando. Além disso, ele tem aquele sorriso largo, quase controlado, mas contagiante. Tem um olhar de cuidado, como se fosse um daqueles heróis fardados - ah, mas isso ele é.
Ele é daquele tipo que chama atenção; que precisa de uma namorada altamente controlada para não sucumbir ao ciúme.
Ele tem jeito de - e é - bom filho. Do tipo que será bom marido e um pai espetacular.
Ele tem minha admiração. Ama suas duas profissões e as desempenha com paixão. Não é perfeito! E não é mesmo! Brabo, esquentado, afobado e cheio de teorias.
É dos homens o mais carinhoso e um pouco carente também. Tem um abraço apertado de estalar coluna e deixar sem ar... Atencioso, leal e companheiro. Além de inteligente e divertido. Organizado (pelo menos mais que eu) e muito sonhador.
É viciado em video-game, perfume, no Náutico, em chocolate e moto. É dos poucos homens que conheço que gosta de fotos. 
Um amigo interessado, um namorado dedicado e um homem lindo!
Ele, é quem eu escolhi amar!
E hoje o dia é DELE!!

PARABENS Beiber

Desejo a você toda felicidade que puder sentir. E muito mais realizações, pois você merece tudo o que construiu e o que ainda vem por aí.

Eu te amo!
Muitos beijos!


sexta-feira, 18 de março de 2011

Eu te amo

O 'inspire-se' de hoje vem lá do blog Casarei. Um videozinho fofo, que encanta qualquer um...



Ame! Não tenha medo!
Inspire-se!

p.s.: O melhor é a cara do menininho no final... rsrs.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Amor Líquido



Zygmunt Bauman é considerado hoje um dos sociólogos mais influentes do mundo. Professor emérito de sociologia na Universidade de Leeds e na Universidade de Varsóvia, seu livro mais recente é "Amor Líquido - Sobre a Fragilidade das Relações Humanas" (Rio de Janeiro: Jorge ZAHAR Editor, 2003) de onde tirei os conceitos e extraí citações para estas reflexões. 

A tese de Bauman é que vivemos em um mundo líquido, que detesta tudo o que é sólido e durável, tudo que não se ajusta ao uso instantâneo nem permite que se ponha fim ao esforço. O amor, nesse mundo líquido, é amor líquido. A tirania do mercado explica em parte esta característica rarefeita de tudo. Estamos na era do homo consumens. O que caracteriza o consumismo não é acumular bens (quem o faz deve também estar preparado para suportar malas pesadas e casas atulhadas), mas usá-los e descartá-los em seguida a fim de abrir espaço para outros bens e usos. 

Estar excluído da sociedade de consumo equivale a ser um fracassado, um incompetente. Um consumidor falho fica se utilizando dos mesmos bens, e a utilização repetida o priva da possibilidade de sensações novas e inéditas. Isso os leva ao tédio e à frustração. Ser bem sucedido é conviver com novidades, variedades, e rotatividade. 

Daí surge a cultura do aluguel e do descartável (e por isso mesmo mais barato). Nesta sociedade líquida, você não compra, aluga. Comprar implica posse e permanência. Alugar implica rotatividade sem ônus. O descartável pode ser facilmente substituído sem muito prejuízo: vale a relação custo benefício, ou tempo de benefício. No mercado, tudo está ao alcance do cartão de crédito, e a distância entre o desejo e sua satisfação está cada vez mais curta. E, portanto, o descarte cada vez mais rápido. A experiência sexual e relacional segue o mesmo padrão e raciocínio. Seu parceiro pode abandonar você a qualquer momento, sem o seu consentimento. 

Anthonny Giddens, outro célebre analista da chamada pós-modernidade, fala dos "relacionamentos puros", onde as relações permanecem enquanto satisfazem as partes. São relacionamentos nos quais se entra apenas pelo que cada um pode ganhar e se permanece apenas enquanto ambas as partes imaginem que estão proporcionando a cada uma satisfações suficientes para permanecerem nas relações. Viver juntos é "por causa de" e não "a fim de". Enquanto há razões a parceria permanece. Os parceiros já não se enxergam como construtores de si mesmos, um do outro e da própria parceria. 

Parcerias frouxas e eminentemente revogáveis substituíram o modelo da união pessoal "até que a morte nos separe". Bauman chama isso de "relacionamentos de bolso", que compara com vitamina C: em grandes doses podem causar náuseas e prejudicar a saúde. Por esta razão, a "sociedade líquida" prefere os relacionamentos diluídos, para que possam ser aproveitados. Os compromissos intensos e de longo prazo são uma armadilha a ser evitada. O compromisso fecha a porta para novas possibilidades (quem sabe, até melhores). Mantenha sempre sua porta aberta, dizem os "especialistas". 

Viver juntos foi substituído por ficar juntos. A convivência foi substituída pelos encontros episódicos. O casamento foi substituído pela sucessão de romances com sexo. O divórcio foi substituído pelos CSS - casais semi separados. As amizades foram substituídas pelas salas de chat e as redes, onde se pode conectar e desconectar sem qualquer compromisso, promovendo relações fantasiosas ou profundas protegidas pelo anonimato. Ralph Waldo Emerson acertou ao afirmar que "quando se é traído pela qualidade, tende-se a buscar desforra na quantidade". 

Na compulsão de tentar novamente, e obcecado em evitar que a atual experiência sabote a futura, ou sempre em expectativa de que o melhor está por vir e que há sempre algo melhor pelo que esperar, as pessoas acabam desaprendendo o amor, tornam-se incapazes de amar. A sensação de que se pode ser abandonado, substituído a qualquer momento impede a entrega total, e porque não se entrega totalmente, o amante parcial vive com a constante sensação de que está vivendo um equívoco, ou que está esquecendo algo, ou deixando de experimentar alguma coisa. Isso faz com que o amante parcial viva carregado de ansiedade. E, pior do que isso, está condenado a permanecer para sempre incompleto e irrealizado. Bauman diz a respeito que estão "numa viagem nunca termina, o itinerário é recomposto em cada estação, e o destino final é sempre desconhecido". 

A resposta cristã para esta "sociedade líquida" que vive de "amores líquidos" deve considerar, pelo menos, três fatos. Em primeiro lugar, lembre-se que o amor encontra seu significado, não na posse das coisas prontas, completas e concluídas, mas no estímulo a participar da gênese dessas coisas. Martinho Lutero nos adverte que "o amor de Deus não se destina ao que vale a pena ser amado, mas cria o que vale a pena ser amado". Em outras palavras, não espere pessoas prontas, caminhe com elas rumo à maturidade. 

Lembre-se também que o amor não é um caminho de satisfação, mas de transformação e realização. Hans Burki ensinou que "mais da mesma coisa nos deixa no mesmo lugar". Em outras palavras, quando seu relacionamento não estiver satisfatório, não mude parceiro ou parceira, mude o relacionamento. 

Finalmente, lembre-se que o amor não é um episódio, mas uma caminhada comum. Não acontece na relação superficial, esporádica, virtual, meramente física, mas num relacionamento de proximidade que conduz à intimidade em direção à profundidade do ser que ama (dos seres que se amam). Em outras palavras, não confunda paixão e sexo com amor. 

A sociedade anticristã não vive da negação do que é cristão, mas da deturpação. Para deturpar, você priva, exacerba (exagera) ou distorce. O amor líquido é uma falsificação do amor sólido. Isto é, para conspirar contra o amor, o diabo não precisa semear o ódio (a maioria rejeita), basta semear o amor líquido. A sociedade líquida está iludida. Carece de gente que viva relacionamentos de "amor sólido" para que conheça a verdade e seja liberta de sua ilusão.

quinta-feira, 10 de março de 2011

{Especial para meninas} POR QUE SE IMPORTAR COM A LINGERIE?



Praticamente todos os seres humanos do universo acham importante se arrumar para um festão. Uma quantidade consideravalmente menor acha importante se arrumar para sair no fim de semana. Menos gente ainda se arruma para ir ao trabalho. Quem chegou ao nível avançado se importa com o que vai vestir para comprar pão, para ir até a academia, para ficar em casa e até para dormir.
O último degrau é se importar com a lingerie que veste mesmo em dias em que ninguém vai ver. Essa é uma das maiores provas de que você realmente incorporou o zelo pessoal para sua vida e está se arrumando para si mesma, para uma eventualidade, para qualquer coisa.
Em 1954, Christian Dior dedicou algumas páginas de seu “Pequeno Dicionário de Moda” para falar da importância da roupa de baixo como um elemento que pode melhorar ou destruir o caimento de um vestido. O livro todo é voltado para moças com menos dinheiro, mas Dior faz questão de frisar que o sutiã é uma peça em que não se pode economizar demais.


Se convenceu a olhar com mais carinho para a gaveta de calcinhas? Então temos dicas tanto para escolher quando para conservar essas peças tão importantes.

Dicas para escolher lingerie:
1. As alças do sutiã devem ficar centralizadas no ombro e ajustadas de maneira que não fiquem nem frouxas nem apertadas. Alças largas demais deixam o sutiã desajeitado e podem causar dores nos ombros e no pescoço. Já as alças muito apertadas atrapalham a circulação.
2. Quando estiver procurando um modelo para um decote específico, leve a roupa até a loja e experimente o sutiã com a peça.
3. Quem quer aumentar os seios pode usar enchimento, mas sem exagero e mantendo um certo padrão, senão fica parecendo que a gente muda o tamanho do peito todo dia. Sutiã com fecho na frente une os seios e faz eles parecerem maiores mesmo sem enchimento!
4. Quem tem peitão precisa de sustentação. Modelos com alças largas, costas e laterais reforçadas são super indicados.
5. Quando for comprar um sutiã, tente comprar ao menos três calcinhas que combinem com ele, assim você anda de conjuntinho sem precisar ter um sutiã para cada calcinha.
6. Ao contrário do que todo mundo costuma imaginar, as alças não são responsáveis pela sustentação dos seios, e sim a faixa que fica no tórax! Essa parte deve ficar bem ajustada ao corpo. A peça não pode ficar subindo nas costas ou na frente e nem fazer pressão demais.
7. É muito importante ter algumas peças com cores semelhantes ao seu tom de pele para poder usar com roupas claras. Quem torce o nariz para o bege pode se jogar no nude.

Dicas para manter a lingerie:
1. Lave as peças à mão, com água morna e sabão neutro. Pode lavar durante o banho, mas se certifique de que o sabonete é neutro ou compre aqueles produtinhos para lavar lingerie no box.
2. Sutiã com bojo não pode ser guardado de qualquer forma. Mantenha as peças abertas e encaixadas na gaveta, sem apertar muito.
3. Usar protetor diário (tipo Carefree!) mantêm as calcinhas novas por mais tempo, mas é bom consultar sua ginecologista antes porque nem todas são fãs do protetor.
4. Quando a peça fica encardida e a alça forma bolinhas é porque está na hora de trocar.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Temos algo a aprender com o Carnaval?


Seria lícito tomar o desfile do Carnaval como analogia de nossa caminhada cristã? Certamente, a maioria dirá que não. Afinal de contas, o Carnaval é a festa pagã por excelência, onde, além de toda promiscuidade, entidades pagãs são homenageadas.
Eu poderia gastar muitas linhas tecendo críticas justas a esta festa em que tantas famílias são desfeitas, e inúmeras vidas destruídas. Porém hoje, quero pegar a contramão.
Por que será que os cristãos sempre enfatizam os aspectos ruins de qualquer manifestação cultural?
Se vivêssemos nos tempos primitivos da igreja cristã, como reagiríamos ao fato de Paulo tomar as Olimpíadas como analogia da trajetória cristã neste mundo? Ora, os jogos olímpicos celebravam os deuses do Olimpo. Portanto, era uma festa idólatra. Os atletas competiam nus. Sem contar as orgias que se seguiam às competições. Sinceramente, não saberia dizer qual seria pior, as Olimpíadas ou o Carnaval.
Porém Paulo soube enxergar alguma beleza por trás daquela manifestação cultural. A disposição dos atletas, além do seu preparo e empenho, foram destacados pelo apóstolo como virtudes a serem cultivadas pelos seguidores de Cristo.
E quanto ao Carnaval? Haveria nele alguma beleza, alguma virtude que pudesse ser destacada do meio de tanta licenciosidade? Acredito que sim. Embora jamais tenha participado, talvez por ter nascido em berço evangélico tradicional, posso enxergar alguma ordem no meio do caos carnavalesco.
Destaco a criatividade dos foliões, principalmente dos carnavalescos na composição das fantasias, dos carros alegóricos, do samba-enredo. Eles buscam a perfeição. Diz-se que o desfile do ano seguinte começa a ser preparado quando termina o Carnaval. É, de fato, um trabalho árduo que demanda muito empenho.
Se houvesse por parte de muitos cristãos uma parcela da dedicação encontrada nos barracões de Escolas de Samba, faríamos um trabalho muito mais elaborado para Deus. Buscaríamos a excelência, em vez de nos contentar com tanta mediocridade.
O desfile começa com a concentração. É ali que é dado o grito de guerra da Escola, seguido pelo aquecimento dos tamborins.
A concentração equivale à congregação. Nosso lugar de culto (comumente chamado de “templo” ou “igreja”) é onde nos concentramos e aquecemos nosso espírito. Porém, a obra acontece lá fora, “na avenida” do mundo.
Gosto quando Paulo fala que somos conduzidos por Cristo em Seu desfile triunfal. O apóstolo compara a marcha cristã pelo mundo às paradas triunfais promovidas pelo império romano. Era um espetáculo cruento, no qual os presos eram expostos publicamente, acorrentados arrastados pelas ruas da cidade. Era assim que Roma exibia sua supremacia, e impunha seu poder. Paulo toma emprestada a figura deste majestoso e horroroso evento para afirmar que Cristo está nos exibindo ao Mundo como aqueles que foram conquistados por Seu amor.
Muitos cristãos acreditam ingenuamente que a guerra se dá na concentração. Por isso, a igreja atual é tão em-si-mesmada, isto é, voltada para dentro de si. Ela passou a ser um fim em si mesmo.
A avenida nos espera!
À frente vai a comissão de frente, seguida pelo carro alegórico abre-alas. Compete aos componentes dessa comissão a primeira impressão.
A comissão de frente da igreja de Cristo é formada pelos que nos precederam, que abriram caminho para as novas gerações. Não podemos permitir que caiam no esquecimento. Também são os missionários, que deixam sua pátria para abrir caminho em outros rincões. Grande é sua responsabilidade, e alto é o preço que se dispõem a pagar para que o Evangelho de Cristo chegue à populações ainda não alcançadas. Paulo fazia parte da comissão de frente da igreja primitiva. Chegamos a esta conclusão quando lemos o que escreveu aos coríntios: “Para anunciar o evangelho nos lugares que estão além de vós, e não em campo de outrem” (2 Co.10:16). Ele preferia pescar em alto mar, e não aquário dos outros.

A Escola de Samba é dividida em alas, cada uma com fantasias e carro alegórico próprios. Porém, o samba-enredo é o mesmo. O que é cantado lá na frente, é sincronicamente cantado na última ala da Escola. A voz do puxador do samba, bem como a batida harmoniosa da bateria, ecoando por toda a avenida, garantem esta sincronia. Não pode haver espaços vazios entre as alas. Há harmonia até nas cores das fantasias. Ninguém entra na avenida vestido como quiser. Imagine se as variadas denominações que compõem o Corpo Místico de Cristo se relacionassem da mesma maneira, respeitando cada uma o espaço da outra, porém dentro de uma evolução harmoniosa. No meio do desfile encontramos o casal de porta-bandeira. Eles exibem orgulhosamente o pavilhão da Escola. Seus gestos e passos são cuidadosamente combinados, para que a bandeira receba as honras devidas.
É triste verificar o quanto a bandeira do Evangelho tem sido chacoalhada, pois os que a deveriam ostentar, são os primeiros a desonrá-la com seu mal testemunho.
Os cristãos primitivos se dispunham a pagar com a própria vida para que seu testemunho de fé fosse validado e o nome de Cristo fosse honrado.
Ao término do desfile chega o momento da dispersão. É hora de partir, levando a certeza de que todos deram o melhor de si. Alguns saem machucados, com os pés sangrando, com as forças exauridas. Mas todos saem alegres, esperançosos de que sua escola seja a campeã. Aprenderam a sublimar a dor enquanto desfilam. Ignoram o cansaço. Vencem os limites do seu corpo. Tudo pela alegria de ver sua escola se sagrando campeã. Mas no fim, chega a hora de tirar a fantasia, descer dos carros alegóricos, cuidar das feridas nos pés. Mesmo assim, ninguém reclama.
Todos estamos a caminho do fim do desfile. O momento da dispersão está chegando, quando deixaremos este corpo, nossa fantasia, e seremos saudados pela Eternidade. Que diremos nesta hora? Não haverá novos desfiles. Terá chegado o fim de nossa trajetória? Não! Será apenas o começo de uma nova fase existencial. Deixaremos nossas fantasias, para nos revestirmos de novas vestes celestiais. Falaremos como Paulo em sua carta de despedida a Timóteo:

“...o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” (2 Tm.4:6b-8).

Aproveitemos os instantes em que estamos na avenida desta vida, celebremos a verdadeira alegria, infelizmente ainda desconhecida por muitos foliões, e que não terminará em cinzas.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Breath


"Respirar é um mecanismo natural do corpo humano que leva o oxigênio através do ar até os pulmões onde será distribuído para todo o sangue. Conseqüentemente aparelhos, órgãos e célula por célula do corpo, alimentando-o, vitalizando e desintoxicando". Fonte

Respire fundo e tenha um bom feriado.
Inspire-se

quinta-feira, 3 de março de 2011

Look Inspiração

Não ando com muito tempo de pesquisar o que anda acontecendo no mundo da Moda e etc. Mas alguns blogs sobre esse assunto são leitura diária pra mim. Hoje, vi o look da it blogueira {ai que chique falar IT} Mariah Bernardes que está em Miami, e usou algo tão verão que pode facilmente ser incorporado ao nosso dia a dia no Brasil, no Nordeste, em Recife {Ou onde quer que você esteja, hehe}. Fica a dica de alguma cor sem parecer que vai pular o carnaval, pras passarinhas de plantão:


quarta-feira, 2 de março de 2011

Coisas simples


Na vida, a gente vai caminhando de fase em fase aprendendo, somando e algumas vezes perdendo, geralmente para ganhar muito mais a frente. Com a correria e horários apertados alguns detalhes simples acabam sendo postos de lado a fim de ganharmos tempo. Não julgo! Não reclamo! Nem me meto com quem acha que pode muito bem levar a vida assim. Cada um é cada um (né?).
Quanto a mim, que amo a rotina - e esse controle sobre ela - mesmo com horários apertados e prestes a apertar ainda mais; não me meto a querer viver sem alguns desses detalhes. A gente muda de fase e até um pouco de necessidades, mas eu sempre preciso das coisas simples. Não me importo com preços, legitimidade, e tão pouco com a grandiosidade.
Eu gosto mesmo é das pequenas coisas. Um sorriso ao cruzar dos olhares. Um abraço apertado. Um beijo bem beijado. Um eu te amo antes do sinal abrir. Um pedacinho de chocolate "que eu não comi pra te dar". Mensagens de texto (quase sempre) inspiradas. Um 'bom dia' antes do horário esperado. E seguem-se os demais.
Que a correria da vida não nos permita perder as coisas simples, os pequenos presentes, que ela nos dá todos os dias.  

Tempo

Ilustração: Freepik Tempo, não desejo que passes devagar. Tão pouco concordo em passares rápido demais. Apenas passe no seu tempo e n...