Páginas

terça-feira, 7 de junho de 2011

Namorados - Em construção...

Aqui estamos com mais um post da micro-série Namorados. Lembram que desde abril prometo um post de 'como tudo começou' sobre meu namoro/noivado?
Bom, promessa é dívida:

"Quando começamos a namorar, ele criou um álbum no Orkut chamado 'Em Construção...". E é bem assim que, junto a ele, me sinto: construindo
O André entrou na minha vida em 2008 se não me falha a memória e nós dois vivíamos histórias de amor distintas, intensas e belas. E foram essas histórias que fez com que nos conhecêssemos. Não demorou muito para que uma amizade cordial começasse. Eu o admirava com todo respeito e torcia por sua felicidade. Com o tempo os relacionamentos terminaram. E ele praticamente sumiu. Vez ou outra aparecia na minha janelinha do MSN e conversávamos sobre as novidades, a vida, e sobre comida. Vivemos outros relacionamentos e um pouco mais de tempo até que ele pedisse o meu número e aumentasse a freqüência das manhãs online no messenger.
Confesso que não procurava ninguém, tinha acabado de sair de um "namoro" que fez muito mal e minhas expectativas nos homens tinham sido todas desperdiçadas. No entanto, eu estava feliz, bem resolvida e ele também. As mensagens sms tornaram-se diárias e cada vez mais freqüentes. Eu acordava esperando pelo seu 'bom dia' e ele sempre mandava.
Então, numa noite altamente normal, mandei mensagem pra ele pedindo pra me salvar porque eu estava morrendo de fome. Ele me ligou na hora, combinamos de nos encontrar e comer um sanduíche de mato. Saí da faculdade e fui. Lembro que quando o encontrei dei um abraço apertado como se não nos víssemos a muito tempo, e não nos víamos mesmo. Mas o que gosto mesmo de lembrar e rir é da forma como ele respondeu a menina do caixa na hora de pagar o lanche:

Caixa: É junto?
Ele: AINDA não.
Eu: An?

Conversamos até o shopping fechar e até hoje não sei como não bati o carro na volta pra casa. Nada de mais aconteceu, nem um beijinho, nada. Mas eu me sentia nas nuvens. As ligações, mensagens e tudo mais continuavam com ainda mais intensidade e não tinha mais jeito: estava encantada por aquele bombeiro.
Na quinta-feira seguinte e por isso comemoramos o namoro por semana nos encontramos de novo. E eu o beijei. Pois é! Fui eu quem começou com tudo. Ele estava vermelho do sol do dia de treinamento e com uma cara de cansado de dar pena. Mas estava lá, me esperando. Eu o abracei e quando dei por mim nossos lábios já estavam unidos, juntos, grudados.
Nesse dia tivemos um conversa séria sobre como podemos ser chatos, estressados e felizes apesar de todas as alternativas anteriores. Decidimos - meio que implicitamente - que faríamos este relacionamento dar certo. A possibilidade de 'vamos ver se vinga' nunca existiu. Naquele dia nós tomamos uma decisão de FAZER DAR CERTO.
Essa construção começou bem antes, mas desde então assumimos o compromisso de 'colocar a mão na massa' juntos e construir um relacionamento de  cumplicidade, com amor e muito respeito".


3 comentários:

  1. Já gostei dele desde da hora do
    "Ele: AINDA não."

    Continuem com o "FAZER DAR CERTO"!!

    Felicidades!

    ResponderExcluir
  2. Que glória!

    Lindo demais Mah,não tem como ler e não se emocionar. Muito fofinho sua escrita dos fatos. Concordo com Maíra,frase mais fofa: "Ele: Ainda não." Shuashua...
    Unidos nas mãos de DEUS!

    ResponderExcluir
  3. ILMA,
    espere pelo post desta sexta-feira pra você ver o que é emoção. Hehe!!

    MAIRA,
    essa foi a 'deixa' pra eu acordar e perceber q ALGO iria acontecer *__*

    =)
    ain ain

    ResponderExcluir