Páginas

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Pra Comprar Menos e Melhor


Via Oficina de Estilo


Diz que tem um ditado sueco (!!!) que diz que “quem compra coisas que não precisa ou que não usa está roubando de si mesmo”. Há oito anos visitando os guarda-roupas mais abarrotados e convencendo geral que ninguém precisa de tanto – vale mais ter pouco que se usa muito, e de muitos jeitos! – a gente resolveu fazer uma lista do que pode influenciar pro bem as compras: comportamentos (e truques!) que ajudam a comprar menos e melhor.

Informação nunca é demais. Se você pode programar compras pro sábado, durante a semana é legal dar uma olhada nas revistas de agora, nos sites das marcas (pra ir se familiarizando com as coleções) e aqui no blog (NÉAM!). Também é legal estudar os sites de compras de marcas internacionais, tipo yoox e net-a-porter, pra identificar eventuais “homenagens” e influências!

Antes de sair às compras a gente sempre tem que estudar o nosso próprio armário. Saber o que a gente tem é imprescindível pra saber o que a gente precisa ter – às vezes a gente tem que fazer uma super limpeza e tirar as peças estagnadas que não funcionam pra conseguir enxergar o que a gente usa de verdade.
• Sair com foco é BEM importante. Os meninos não têm armários abarrotados porque compram por necessidade – a gente não, o shopping é um passeio e uma desculpa pra encontrar a mãe, as amigas… e quando a gente resolve fazer compras como se fosse terapia, pra “curar” alguma coisa?!?? Foco, amigas. Tem que ter em mente as peças favoritas do armário, as campeãs de uso, e o grupo de cores que se tem em casa, pra então escolher peças que vão render muitas combinações com essas e cores que vão dar certo na hora de coordenar. Pensar em look e não em peças específicas: cada peça escolhida tem que ser coordenável com pelo menos outras três ou quatro que você já tem. Vale pra cores também.
Super ajuda sair usando a lingerie adequada pro que se quer comprar. Tem que pensar no que não marca e no que é mais confortável, pensar que as luzes brancas e espelhos doidos dos provadores já são enfeiadores, né? Se for o caso de comprar um vestido ou look de festa é bom levar junto os sapatos da ocasião pra provar junto.
Uma coisa é perceber o que mais se usa e o que sempre dá certo no guarda-roupa e nos looks de todo dia, outra coisa é comprar um monte do mesmo! Se você adora saia e camiseta pólo, não precisa comprar todas as cores da mesma camiseta e três estampas da mesma saia: só quando a gente escolhe variedade a gente tem possibilidades de mais usos (e de usos mais originais). Tudo bem ter seis jeans (se você usa muito, tipo todo dia!), mas que todos eles sejam bem diferentes entre si, cada um de um jeito especial. Também não é legal comprar tudo na mesma loja pra não ficar com cara de catálogo: vale mais comprar uma ou duas peças em cada loja e montar looks mais pessoais, mais com a nossa cara sabe como?
• Investir de acordo com o “prazo de validade fashion” de tudo: vale gastar um pouco mais no que é basico, clássico, numa cor que neutra e naquilo que a gente usa mais, que vai servir mais vezes, que a gente tem certeza que funciona bem. O que é modinha, o que é vontade ‘passageira’, sempre vale menos – dá pra esperar a liquidação ou dá pra procurar genéricos na C&A ou nas afins.
A gente não deixa cliente nenhuma levar NADA sem provar. E tem que provar de frente, de costas, sentando, andando, “dirigindo” (de mentchirinha!), dançando… E ninguém compra nada que gera dúvida: se a cliente não tem certeza a gente pede à vendedora pra reservar durante um tempo e olha mais lojas, toma um café, conversa, pensa e aí sim, volta pra buscar a peça ou pra des-reservar. Vale pensar de um dia pro outro também (eu e a Cris sempre compramos pra nós mesmas assim: a gente prova num dia, reserva, pensa e, se no dia seguinte a gente ainda tem vontade de ter aquilo, a gente volta lá e arrasa!).
• Por fim, não pode comprar nada que você se AME, que não faça o olho brilhar e que não seja per-fei-ta pra quem compra. Às vezes pra ficar perfeito precisa de ajustes e tals. Mas quando é amor, amor de verdade, a gente sabe, né? ;-)

Nenhum comentário:

Postar um comentário