sexta-feira, 29 de julho de 2011

Você tem que ser feliz...

Vi no Blog da Constance Zahn uma ótima entrevista com o badaladíssimo Proença, it cabeleireiro. E uma das coisas que ele repete várias vezes é a palavra você é que 'você tem que ser feliz no que vai fazer'. Seja na escolha dos profissionais, do estilo do cabelo, do penteado e de todo o resto, o importante é se sentir bem, ser você mesmo e ser feliz :)



Que isso sirva de inspiração pra qualquer coisa que façamos na vida. Seja casar, como casar, se não vai casar; seja profissional, acadêmica ou espiritualmente, ou, simplesmente, na escolha de pequenos detalhes, nas pequenas decisões...
A gente tem mesmo é que ser feliz!

Inspire-se

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Color Blocking e a Vida Real

Semana passada nesta sessão, falei das cores que prometem vir com tudo na próxima estação. Todos Todas sabem que o color blocking é tendência que está com tudo, mas que não é tão simples assim... Achei um post inspirador no Modices e trouxe para as minhas queridas passarinhas: Como adaptar o color blocking para a vida real?

Quando os looks formados apenas por peças coloridas começaram a surgir nas passarelas, o alvoroço foi grande (já que era uma novidade em meio ao marasmo dos tons nude, camel e variantes do bege) e a grande questão em torno desta tendência foi (e continua sendo): “Como adaptar o color blocking para a vida real?”.

Aqui, defino por vida real aquelas mulheres que não vivem o glamuroso mundo da moda (onde exageros e ousadias como as de Anna Dello Russo são “permitidas”) e querem usar as tendências para se divertir na tarefa diária de mostrar quem se é pela imagem que se apresenta para o mundo, usando as roupas para se valorizar e não para chamar mais atenção que si mesma.

A blogueira Kendi é uma dessas mulheres e em seus “look do dia” (charmosos e bem “fáceis de copiar”) ela tem usado o color blocking de maneiras bem interessantes, escolhendo tons no mesmo nível de saturação (como os looks 1, 6 e 8 da montagem) ou usando apenas uma cor para chamar atenção no look (2, 3, 4, 5 e 7).



O interessante mesmo é ver uma grande tendência que é puro styling. Não importa quais as peças que você esteja usando (calça, short, saia ou vestido), para atualizar seu look, basta fazer novas combinações com o que já existe no armário. É a inegável versatilidade das peças lisas.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

#10lugaresquemegustariavisitar

Num final de semana desses, essa hashtag chegou aos Trending Topics e eu fiquei com vontade de listar os 10 destinos brasileiros pra onde gostaria de ir:


E vocês? Que lugares gostariam de visitar neste, ou em outro, país?

terça-feira, 26 de julho de 2011

7 Dicas Científicas Para Ter Um Casamento Feliz

“O casamento permite que você irrite uma pessoa especial pelo resto da sua vida.”

Todo mundo sabe que casamento não é das coisas mais fáceis. Seja você um romântico que sempre sonhou com a vida a dois ou um bon vivant que foi, de alguma forma, empurrado para a união eterna, o cenário é o mesmo: é preciso rebolar um pouquinho para que o relacionamento dê certo. Mas, veja só: eis que a ciência aparece para ajudar nesse desafio. Está solteiro? Anote aí o que procurar no parceiro ideal e já comece a planejar suas táticas pós-aliança. Já se casou? Hum, seu caso é mais grave, mas nem tudo está perdido. Confira, então, o que você ainda pode fazer para melhorar esse laço. E seja, com sorte, feliz para sempre.
  1. Diga sempre “nós”, nunca “eu”: Quem usa mais pronomes como “nós” e “nosso” nas discussões com a cara metade tem brigas menos longas e desgastantes (consequentemente, vive mais tranquilo) do que os casados que abusam dos “eu”, “você”, “meu” e “seu”. Pesquisadores americanos chegaram a essa conclusão após observaram os papos de 154 casais. Especialmente entre os que estavam juntos há mais tempo, o discurso individualista era um forte sinal de que o casamento não ia nada bem.
  2. Sendo mulher, escolha um cara rico: Eles são pais mais presentes, o que, além de criar um clima mais “comercial de margarina” na sua casa, ainda faz bem para o cérebro dos pequenos: segundo pesquisadores do Reino Unido, os filhos de pais mais “bem de vida” tendem a ter QIs mais altos. E ah, outro detalhe interessante: os caras cheios da grana dão mais orgasmos às esposas, segundo um outro estudo britânico.
  3. Sendo homem, escolha uma mulher mais bonita do que você: Todo mundo fica mais feliz neste cenário. É o que mostram os resultados de um estudo da Universidade de Tenessi (EUA). Em testes feitos por lá, foi constatado que ambas as partes do casal se declaram mais satisfeitas com o relacionamento quando a esposa é mais atraente do que o marido.
  4. Fuja das mulheres que têm pais divorciados: O conselho é bem claro: “mulheres com pais divorciados são mais propensas a entrar no casamento com menos comprometimento e confiança no futuro da relação, aumentando o risco de divórcio”, diz um estudo da Universidade de Boston (EUA), que testou as expectativas de 265 casais que tinham acabado de selar o noivado.
  5. Seja companheiro, mas nem tanto: Um estudo da Universidade de Iowa (EUA) constatou que o companheirismo excessivo (como dar, com frequência, conselhos que o outro não pediu) é mais nocivo para o casamento do que ser um marido ou esposa meio “nem aí”. Segundo os pesquisadores, é claro que a gente gosta de poder contar com alguém, mas quando esse alguém começa a cuidar demais da nossa vida, o senso de individualidade vai embora e a coisa azeda.
  6. Invista em pretendentes com boa autoestima: Casar com alguém que não esteja lá muito feliz consigo mesmo é roubada. A dica vem lá da Universidade Estadual de Nova Iorque (EUA). Pesquisadores conduziram testes com jovens recém-casados e observaram que, quando uma das partes tem autoestima muito baixa, tende a se tornar co-dependente e falha em atender às expectativas do cônjuge. A tendência é que, nesse caso, o relacionamento comece a se deteriorar já no primeiro ano de papel passado.
  7. E finalmente: não tenha filhos: Em mais um estudo da Universidade de Iowa (EUA), um grupo de casais foi entrevistado antes e depois do nascimento do filho primogênito. Outro grupo, de casais que decidiram não aumentar a família, deu seus pitacos em períodos correspondentes. E a tendência foi clara: os casados e com filhos passaram por uma queda maior na satisfação conjugal do que os que não procriaram.

E aí, concordam?

segunda-feira, 25 de julho de 2011

O Deus Que Não Podemos Deter

Título Original: The goldfish in the bag 

{Pra quem não gosta muito de ler, esse texto não é pra esses. Mas nesse assunto, precisei alongar...Aos apressados, sorry!}

Não gosto de falar da pessoa de Deus. Tenho um profundo temor quando se trata de citá-lo. Alguém uma vez já disse que toda a tentativa de falar de Deus pode limitá-lo a uma definição de alguém que Ele não é. Essa é uma verdade. Mas ousarei fazer um exercício: qual a idéia que temos a respeito de Deus? Pois crer num único deus não basta. Precisamos saber quem Ele é, pois uma idéia do que achamos que Ele é, não nos leva a conhecê-lo de verdade. Nós cristãos, pela fé cremos que a Bíblia é o livro escrito por Deus e por isso é o livro que o revela a nós, de forma clara e ordenada através das gerações. O frade holandês e missionário brasileiro, Carlos Mesters, sintetiza a história do Deus bíblico assim:

"A ação inspiradora de Deus no Antigo Testamento era como um filete de pólvora, cuja cor era igual à cor da terra. Antes, já se sabia da sua existência e do seu destino, mas não se conhecia ainda seu traçado preciso nem o conteúdo concreto desse traçado. Esse filete estava sendo conduzido por Deus até chegar ao fogo. No momento em que Cristo chega, ressuscita e comunica o Espírito, o fogo se acende e se estende à pólvora, iluminando, de repente, o seu traçado invisível."

Ou seja, Deus se revelou coordenamente ao povo hebreu por manifestações de todos os tipos, culminando na revelação final em Jesus Cristo à toda humanidade. Muitos homens ao longo da história ficaram ao lado Deus, obedeceram sua voz e por causa desses homens, hoje podemos conhecer o Deus que se revelou inicialmente a Abraão, Moisés, Isaque e Jacó e culminou na encarnação, morte e ressurreição de Jesus. Ou seja, podemos conhecer a Deus! E isso é magnifíco. Mas apesar disso, penso que por vezes temos cometido um grave equívoco com o conhecimento que adquirimos Dele: pensamos deter a Deus. A impressão que tenho é que por vezes tentamos colocar Deus num saco d'água e como crianças saímos expondo pra todo mundo que sabemos um monte sobre Ele. Colocamos com facilidade o nome de Deus em espaços argumentativos, aonde tudo que pensamos ou falamos, nos leva sempre a ter razão e nunca o contrário. Nesses espaços argumentativos, é possível prever o que Deus pensa do mundo e dos outros. O que Ele ama e o que Ele odeia, quem Ele salva e quem não salva, onde Ele está e onde não está. Bingo: acabamos de criar um deus pequeno, medíocre e naturalmente previsível. E suspeito que um deus assim não seja o verdadeiro Deus. Acabamos de cair no erro de crer numa idéia a respeito de Deus e não no próprio Deus.
A questão não é se a Bíblia é totalmente autosuficiente no seu caráter revelativo de Deus a nós. Ela é. A questão é até onde podemos falar em nome Dele, determinar o que Ele pensa, como age, quem perdoa, onde está. Nesse sentido, não somos totipotentes em nossas opiniões sobre Deus. Conhecemos Deus na Palavra e na pessoa de Jesus, integralmente. Mas muitas coisas de Deus, não temos acesso. Pra certas coisas, não temos explicações. São mistérios. Mas de algumas coisas eu tenho certeza: Deus não dá muita importância pra grande maioria das coisas que achamos importante, não descarta tudo aquilo que costumamos jogar fora, não odeia tudo aquilo que não gostamos e não ama tudo aquilo que jamais abriríamos mão de perder. Ele é diferente de nós. Ele é maior do que nós. As afirmativas de Deus extrapolam as nossas afirmativas, seu agir extrapola nossas atitudes, seus pensamentos estão muito além dos nossos pensamentos. O fato é que no fim, muita gente vive idealizando um deus imitador, que pensa "como eu penso", que faz "como eu faço". Cristãos de maneira geral negam veementemente isso na teoria. Mas tenho visto muitos viverem dessa forma, em seus conceitos, pensamentos e atitudes. Por trás de cada palavra e atitude dessas pessoas, é possível ver um deus nadando numa bolha d'água.
Suspeito que conheceremos melhor a Deus quando desistirmos dessa gana em ter razão sobre tudo que afirmamos em nome Dele. Penso que deveríamos baixar a nossa "bola". Aí então nos tornaremos pessoas menos arrogantes, menos prepotentes, mais amáveis e misericordiosas tal como Jesus Cristo foi. Talvez seja por isso que muitas vezes Deus pensa e age de forma que não esperamos. Para que sempre lembremos de que Ele é Deus. É completamente possível conhecê-lo. Mas é impossível detê-lo.

"Ele não é um leão domesticado." 
Tumnus a respeito de Aslam (Crônicas de Nárnia de C.S. Lewis)

quinta-feira, 21 de julho de 2011

A Estação Vindoura e Sua Novas Cores

Estava meio sem ideia sobre o que trazer nesta quinta, até que acho esse breve post no blog Look do Dia sobre as cores que prometem tomar conta da próxima estação, primavera/verão.

Clique na imagem para aumentar.

Todos sabem que tenho uma fixação por esse tom de azul e fiquei bastante animada ao ver essa compilação de imagens. 
Melhor mesmo é perceber como azul + laranja caem bem. Não é mesmo? Vejo uma febre de color blocking que já está colorindo as ruas mesmo no inverno... Imaginem o que o verão nos reserva! São essas duas cores uma boa pedida para colocar essa tendência em prática.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Aspas Para os Amigos

As postagens do meu blog são montadas com geralmente dois dias de antecedência, por isso e porque eu sou meio desligada mesmo que não lembrei de fazer nada especial para celebrar o DIA DO AMIGO. Resolvi, então abrir essa "aspas" aqui no blog pra dizer pros meus queridos (de perto e de longe) que sou muito grata a Deus por ter a oportunidade de no meio de uma multidão conhecer pessoas que fazem toda a diferença. E o blog é um canal para isso... Maíra e Carlinha, adoro vocês!


FELIZ DIA DO AMIGO

E, é claro, feliz dia do amigo para ele que é noivo, namorado e melhor amigo
Eu te amo!


Rústico & Moderno

Sempre acreditei ser muito moderninha quanto ao assunto decoração. Sempre jurei ser minimalista, colorida e ousada quanto aos futuros moveis da minha casa. Até que saí as ruas, entrei nas lojas e me deparei com a fazendeira que existe em mim. Simplesmente me encantei, alucinei, apaixonei pelos moveis mais rústicos. Aquela coisa cor de madeira, mais clara, ou mais escura... Me deixou tão febril por esse estilo que saí catando na internet salas, quartos, cozinhas e muitas possibilidades do rústico & moderno.















Via
Via

terça-feira, 19 de julho de 2011

Expectativa


Expectativa é quando a gente deposita em algo ou alguém o desejo e esperança de que as coisas aconteçam a nosso modo, ou que alguém permaneça sob nosso controle.
O melhor (ou seria pior?) exemplo disso são pais que depositam seus sonhos frustrados e seus planos perfeitos em filhos que jamais poderão corresponder.
A quebra dessa expectativa, desse controle, desse planejamento impecável, tem a capacidade de quebrar qualquer coração. Melhor: de quebrar dois corações. O de quem as criou e o de sobre quem foram criadas tais projeções.
Controladora como sou (tenho pena dos meus filhos - que nem existem ainda), já fui muitas vezes surpreendida por minhas expectativas. Conto nos dedos quando foi bom. Dessa forma, de uns anos pra cá parei de acreditar (como se tivesse acreditado algum dia) no positivismo. Força do pensamento então?! O Segredo? Ah, fala sério! Passei a ser pessimista...

"O pessimista é feliz quando acerta e quando erra".

Infelizmente o pessimismo não me livrou delas, e não me livrou de sofrer mais um pouco. O problema deixou de ser as expectativas que eu tinha. Passou a ser as expectativas que tinham sobre mim. E que fardo pesado é esse, viu? Não raro tenho estado sensível, como se algo quisesse se libertar. Como se o peso não fosse mais suportável. Como se faltasse muito (muito, muito e muito) pouco para sucumbir.

{Esse texto foi patrocinado pela minha TPM}

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Números ou Pessoas?


Esse final de semana, eu e o noivo conversávamos sobre como a igreja tem o poder de atrair pessoas. Tivemos um congresso de oito dias na semana passada e quase todos dias vimos pessoas vindo a Cristo, se convertendo com corações quebrantados e entregues a esse amor que foi, por tantos dias, pregado. No entanto, a verdade é que esse "processo" não acaba no levantar de mãos, nem no ir até lá na frente mostrar as pessoas presentes que seu coração agora pertence a Jesus. A igreja tem mesmo poder de atrair pessoas, novos crentes, sedentos e carentes. Porém, ela também é poderosa para repelir pessoas. E então, esses novos convertidos depois de 'entregues' são esquecidos. Poucas instituições dão a atenção devida a essas pessoas com sede de Deus que agora decidiram ter uma nova vida em Cristo. E assim, elas desanimam e voltam para o lugar de onde saíram. E nós, crentes tão poderosos, ficamos apenas com os números e perdemos as pessoas. O que me entristece é reconhecer que poucas igrejas estão preparadas para receber esses novos crentes. Confesso que apesar de ter nascido no evangelho não fui educada - pelo menos pela igreja - a receber essas pessoas, a ser amável e prestativa, a ensinar a manusear a bíblia, ou simplesmente a dar atenção. É uma lástima ter que reconhecer que boa parte dos crentes novos convertidos que permanecem nas igrejas, permanecem por mérito próprio, por amor ao Pai e pela misericórdia de Deus. Pois se dependesse de nós... prefiro não comentar!

Semana passada li um texto muito bom do @soupepe {Blog dos Crentassos} que falava sobre Protestantismo FAIL e eu quis trazer apenas um trecho pra gente meditar:

Quando comecei a procurar em minhas memórias o motivo por ter saído do catolicismo lembrei que a falta de respostas as minhas perguntas foi um dos principais motivos. Pronto! Agora tinha uma resposta e estava pronto para argumentar. Em geral as pessoas que saem do catolicismo estão desanimadas com a igreja como instituição.
Foi então que uma verdade veio diante de meus olhos. E as pessoas que saem de nossas igrejas? Vão pra onde? Em geral para lugar nenhum, pois desacreditaram da igreja e não raro deixaram de crer em Deus. Ocorreu-me então que nosso erro é muitas vezes superior aos nossos irmãos em cristo, pois destruímos a alma de várias pessoas em nossas aventuras neopentecostais. Não quero generalizar, mas quantas pessoas você caro leitor viu sair da igreja e não congregar em mais nenhum lugar? Pior que construirmos uma instituição inadequada é destruir os sonhos de crianças inocentes simplesmente para atingir metas.
Sobre minha amiga: Preferi ficar calado! Senti vergonha!

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Como Seria o Mundo Sem os Homens

Segunda-feira. 6h30 da manhã. O despertador toca e tudo o que eu quero é ficar mais um pouco ali, dormindo de conchinha com o meu... travesseiro. Existe companhia melhor? Ele se ajusta ao meu corpo. Não reclama do pé gelado. Não ronca (importantíssimo). E nem deita exalando cheiro de cerveja depois da happy hour. O alarme de novo. Tenho uma reunião às 8. Pulo da cama para não precisar aguentar o olhar de reprovação do meu chefe. Entro no cômodo mais impecável da casa desde que o Fernando se foi: o banheiro. Tampa da privada abaixada e sem gotinhas indesejadas, nenhum apêndice filamentoso (vulgo pelo) no sabonete. Quer saber? Estou adorando essa vida sem um homem para chamar de meu. E, por falar em seres dotados de testosterona em excesso, lembro de novo do meu chefe. Ele pensa que é deus – ou tem certeza de que é. Mas, na verdade, parece um baita inseguro (ou incompetente?).

No carro, ligo o rádio. Não toca U2, Beatles ou Skank. Estranho, não ouço voz masculina. Deve ser o horário. Não me incomodo. Estou muito bem servida com Norah Jones, Diana Ross, Carla Bruni, Ivete Sangalo. Estaciono ao lado da empresa. Vou enfrentar a primeira leva de machos-alfa da semana. Antes de passar em frente a um empreendimento em construção, controlo o rebolado, fecho o decote para poupar meus ouvidos de comentários que começam com “delícia” e seguem ladeira abaixo. Nem um assoviozinho sequer. Estou no meu dia de sorte ou será um aviso de que devo arrumar um horário para a academia? Estufo o peito e abro a porta da sala de reuniões pronta para encarar o inimigo. Nem sinal do sr. Troglodita. Definitivamente estou no meu dia de sorte. Tenho uma nova chefe. Ela mede meu corpo de cima a baixo e dispara: “Seu esmalte é o Particulière da Chanel?” Conto que fiz uma misturinha de duas marcas nacionais para conseguir a mesma cor. Ela anota os nomes para comprar também. A reunião dura duas horas (quase o dobro do habitual). Saio com a cabeça fervilhando de ideias e a receita de uma musse de chocolate in-crí-vel, testada pela assistente de marketing.

Abro o Facebook e todos os meus amigos (digo, amigos homens) desapareceram. Será que os excluí por engano? Parece coisa de maluca, mas eles simplesmente escafederam-se. No Twitter, alguém dispara: “Estão dizendo que os homens voltaram para Marte”. Ligo para minha amiga Mari e conto o absurdo. Ela diz: “Querida, da minha vida eles sumiram faz tempo! Um não manda nem SMS no dia seguinte, o outro tem vertigem ao ouvir o verbo namorar... Só encontro homem errado. Seria até bom. Assim, ninguém mais ficaria me perguntando por que ainda não casei!” Minha vizinha de mesa, a Carolina, desabafa: “Pelo menos me poupo da cena irritante: o bonitão do Marcelo assistindo pela quinta vez o filme Velozes e Furiosos no sofá da sala enquanto dou papinha para a bebê e corro para limpar a Guigui, que está saindo das fraldas. Afinal, para que servem os homens?” Me calo. Não sou a pessoa indicada para tentar salvar o casamento da Carol, ainda mais neste momento, em que ando in love com minha vida macho-free.
No barzinho, não preciso de mais de cinco segundos para ter um choque. Há mais taças de martíni por metro quadrado do que de chope. A garçonete anota o pedido. Picanha aperitivo? Não tem, senhora. Saiu do cardápio por falta de demanda. Vou ao toilette e não encontro a plaquinha de banheiro feminino. E não vejo a possibilidade de trocar olhares com um paquerador de plantão (nem o mais canalha). Isso é, no mínimo, estranho.

Carol, Mariana e eu brindamos ao mundo sem homens. E começamos uma rodada de prós e contras dessa hegemonia absoluta feminina. O futebol deixou de ser uma paixão nacional. Contra. Não tem mais programas de mesa-redonda na TV no fim do domingo. Pró. Não tem mais amigo gay nem nosso cabeleireiro preferido. Contra (e protesto: por que eles se foram também???). Acabou a ansiedade para encontrar a cara-metade. Pró. Acabou toda e qualquer possibilidade de encontrar a cara-metade. Contra. Não tem mais toalha molhada na cama. Pró. Não tem mais Gerard Butler, Clive Owen, Murilo Rosa. Cooontra. Não temos mais motivo para reclamar dos homens. Pró. Ou contra? A Lei Maria da Penha não faz mais sentido. Pró. Não dá mais para ter filhos. Contra. O clima pesou. Mudamos de assunto.

Tento curtir as delícias de um mundo com menos músculos e mais toques femininos. Um vaso de flor na oficina mecânica? Não consigo ver muita graça nisso. Deve ser a TPM. Aliás, sintonia de mulher: estamos todas na TPM lá no escritório, o que torna a convivência um inferno. Uma chora, outra se descabela. Que falta faz a piada do bonitão do financeiro para quebrar o clima! A Mari também tem saudades de colocar uma minissaia e arrancar olhares interessados em vez de invejosos. Carol sente falta dos beijos depois das brigas. Do “sim” ou “não” do Marcelo que colocavam um fim nos “talvez” dela. Sua filha, Guigui, quer saber onde está seu “prínxipe”. Ei, dá para voltar tudo como era antes? Não me entenda mal. Continuo feliz sem os vestígios de barba na pia. Mas, tenho de admitir, o mundo ficou mais sem graça sem os homens. Como arroz sem cebola. Ela faz chorar, mas dá um tempero delicioso. Pronto, falei. Tentei, mas não consegui ficar indiferente. Quero de volta o tempero masculino, mesmo que às vezes ele seja indigesto (como o do meu chefe). Uma roteirista amiga minha diz que uma boa história tem antagonista, tem conflito. Desencontros e encontros. E, mesmo que não acabe em final feliz, é garantia de muitas emoções.



  • Hoje, 15 de Julho é o vencimento da minha matrícula Dia do Homem {pelo menos no Brasil}. E o texto acima retrata o quão monótono ficaria as nossas vidas sem eles. Concordam?
  • Feliz Dia do Homem! Em especial, para o homem que faz minha vida ter muitas emoções... ;)

quinta-feira, 14 de julho de 2011

{Brainstorm} Small Fashion Diary

Minha irmã me apresentou esse blog com a frase de efeito: olha, essa menina é daqui! Salvei nos favoritos e só fui realmente observar dias depois. Foi então que fiquei entusiasmada com um blog que mistura moda, estilo e looks do dia direto de Recife, e com essa moldura perfeita que é o Recife Antigo em dia de sol. A dona do diário é a designer Carol Burgo que faz do seu espaço um lugar despojado, criativo e muito inspirador. A nossa tempestade de ideias fashion vem diretamente daqui mesmo: Recife - Pernambuco.


Proposta do Blog {De tudo que eu já vi no SFD, esse texto é o que retrata melhor a proposta do blog}
  • P.s.: O Recife Antigo foi o lugar que escolhi para fazer minha e-session de noivado ;)


quarta-feira, 13 de julho de 2011

Detalhes da Decoração

Que eu sou viciada em blogs de casamento, todos sabem. E isto é paixão antiga, já existia antes mesmo do noivo existir. Entretanto, nunca um detalhe das festas me chamou tanto atenção como tem chamado ultimamente: as cadeiras (pois é, você já parou pra pensar nelas?).
Não sei se porque aqui, em Pernambuco, esse artigo nos casamentos (pelo menos os que eu fui) é menosprezado e facilmente solucionado pelas cadeiras de plástico brancas devidamente "vestidas". Ou porque eu sou um pouco desorientada mesmo, que enquanto deveria estar pensando no vestido, estou pensando nas cadeiras.
Bom, só sei que cada vez que vejo fotos de casamentos de outros estados corro pra olhar a decoração e as cadeiras são as coisas que mais me chamam a atenção. Tem uns que me deixam apaixonada, outros nem tanto. Percebo que, nas cerimônias menores e/ou ao ar livre elas são utilizadas com mais frequência que os tão antigos bancos. E que nas recepções elas deixam o ambiente ainda mais bonitos, mais chiques, eu diria. Belas cadeiras podem até dispensar decoração.








 



Agora me digam se a cadeira não faz toda a diferença...

Fotos
Fotos

terça-feira, 12 de julho de 2011

Sou Uma Blogueira Falida

Tenho blog desde a época que 'ter blog' era coisa de nerd - coisa que nunca fui, tenho cara, mas nunca fui! Hoje, virou moda. Todos querem um pra chamar de seu. Sobre tudo e sobre nada, existe blog para todos os gostos. E eu confesso que sou um pouco viciada nessas coisas, principalmente os que falam sobre casamento, decoração e design. Quem me segue a mais tempo sabe o quanto de carinho eu tenho por esse espaço, apesar de ter diminuído com os posts de minha autoria (por falta de inspiração, assunto e tempo). Eu não consigo pensar em deixar de passar um dia aqui. Porém, cheguei a conclusão que sou uma blogueira falida.


Pois é!
E não se engane! O que mais temos nessa blogosfera alucinante são blogueiros falidos.
São aquelas pessoas que criam essa página para si mesmo. Que pouco se preocupam com os números: quantidade de acessos, quantidade de comentários, etc. Hoje em dia, blog virou algo rentável. E quem não consegue ganhar dinheiro com isso, perdeu a oportunidade. 
Sou uma blogueira falida porque não consigo me render a isso. Blog pra mim tem que ser um hobby, não trabalho, talvez um hobby remunerado, mas trabalho nunca!
Percebo que a medida que falo menos de minha vida, mais o comentários diminuem. Mas entendo que esta é mais uma fase importante que preciso passar. A de me guardar um pouco dessa exposição que está ficando tão comum.
Não me importo de ser uma blogueira falida, ou seria, uma blogueira bem resolvida?

segunda-feira, 11 de julho de 2011

De Devocional em Devocional

Essa semana começa o 3º Congresso de Jovens da minha congregação, e observo o quanto de pessoas são impactadas nesses eventos. Muitas bençãos são derramadas e muitas pessoas são alcançadas. Porém, dias atrás uma frase me chamou atenção no twitter que me fez pensar em todos os congressos que já passei:

Sua vida tem sido de congresso em congresso ou de devocional em devocional?

Em tempos de congresso vejo muita gente motivada, inspirada e cheia de gás tanto para trabalhar voluntariamente, como espiritualmente. Só que quando a semana passa, quando o congresso encerra. Eles voltam a viver aquela espiritualidade medíocre. Isso quando ainda tem alguma espiritualidade, pois na maioria das vezes o que sobra é a religiosidade.
A minha oração é que após o dia 17/7 (encerramento) o sentimento de devoção continue. Muitas vezes tenho ouvido a seguinte afirmação: estou aqui fazendo isso pra Deus. O meu desejo é que assim prossigam. Assim como Paulo nos ensinou:

Irmãos, não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus. Filipenses 3:13 & 14

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Inspire - se #060 {Silvio Santos}

O vídeo é antigo, mas eu só vi hoje e, sinceramente, achei fantástico. O Silvio Santos é um ícone da televisão brasileira e não tem quem possa dizer o contrário. Admirei muito a sua postura diante dos acontecimentos com o banco PanAmericano e as suas demais empresas. 
Ele é um visionário, um exemplo de empresário e um comunicador por vocação.


  • "Minha maior tristeza foi perder a minha esposa, Cida. (...) Minha maior alegria foi ter conhecido minha esposa Íris, mãe das minhas quatro filhas".

Inspire-se

(2ª Parte)

Vejam que resposta ele dá a Sônia Abrão. Só existe o Sílvio mesmo!

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Turbinando o Estilo by GE

Poucos meses atrás encontrei um post da Camila Coutinho - Blog Garotas Estúpidas sobre como turbinar o estilo de maneira descomplicada. E num dia como hoje de correria sem fim eu vos deixo essa inspiração para se vestir bem com o que a gente já tem:


  1. ARRUMAR O ARMÁRIO! Tão óbvio, mas que nem sempre damos bola né? Se o seu armário estiver aquele lixão de bagunça, como voce vai saber o que tem lá? Aquela blusa incrível que tá perdida faz tempo pode estar atrás daquele pneu velho e você nem lembra mais que ela existe! kkkk Quando a zona vira rotina, acabamos usando o que está mais fácil e visível, aí o armário não “gira” sabe?
  2. “LEIA”  MELHOR! As vezes bate aquela preguiça “Magda” e a gente só folheia superficialmente as revistas, bem “lendo figuras” mesmo né? Dá próxima vez que for ler a sua publicação favorita, tente observar melhor o que voce poderia adaptar ao seu dia a dia também. As vezes já temos no armário peças muito parecidas com aquelas que foram usadas naquele look lindo em tal editorial! É só prestar atenção…
  3. DESCUBRA SUA MUSA! Veja bem, não to dizendo que tem que copiar alguém! hehe Só acho que se voce admira e se identifica com o estilo de uma pessoa, fica ainda mais fácil de atualizar as suas próprias produções ao acompanhar os modelitos usados por ela. Principalmente nos looks da vida real!
  4. ASSINE BOAS NEWSLETTERS! Quem nunca colocou o seu email em algum site e se arrependeu horrores depois de ficar recebendo propaganda eternamente? Pois algumas newsletters valem a pena viu? Eu assino a da Asos.com, Netaporter.com e My-Wardrobe.com felizona, só tem informações legais e conteúdo inspirador
  5. OUSE! Adora uma regata branca? Não vive sem jeans? Que tal mudar um pouco e adicionar novos itens aos favoritos? Sair um pouco do quadrado pode ser uma ótima opção de dar um refresh no estilo. Tente ousar e não tenha medo de testar mix de estampas ou color blocking, por exemplo. O que importa é que seja dentro dos seus “limites fashionísticos” e gosto mesmo, independente da peça ser trendy ou não!
  6. ATENÇÃO AOS LOOKBOOKS! Voce é cliente assídua de tal marca e não deixa de passar na loja a cada lançamento de coleção. Cate um lookbook de lá e de uma olhada mais atenciosa nele! Se o seu vício é a Farm ,por exemplo, os looks montados especialmente pelo stylist pra representar a temporada vão te render muitas idéias boas de como usar as suas comprinhas de lá…com certeza!
  7. PASTINHA NO DESKTOP! Passamos tantas horas navegando na internet por blogs e sites, que fica quase impossível não se confundir com tanta informação! Já deixe uma pastinha de inspirações no desktop e não hesite em salvar tudo que te agrada e inspira. Seja em moda, beleza, decoração ou qualquer outra coisa!
  8. MONTE SEU MURAL! Quase a mesma coisa da pastinha no desktop, só que impresso e mais visível né? hehe Também vale ir recortando e arrancando páginas de revistas e catálogos pra montar um mural de inspirações. Se for perto do armário melhor ainda! hehe Aí depois é só trocar a cada temporada com as vontades da estação..
#ficadica

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Férias ?


Odeio ter que constatar que jamais tive férias desde que me conheço por gente. Os dias sem aula se resumem a ir para o escritório (mesmo que seja para fazer nada); o que importa mesmo é não ficar em casa. O que me incomoda nas férias é o fato de sempre parecer ter mais coisas (coisas = trabalho) a fazer durante elas que no tempo que passei em aulas. E eu me pego assim... um pouco desorientada. Querendo aproveitar e ao mesmo tempo atender as responsabilidades.
É aí que sempre chego a mesma determinação: parar de chamar essa época de FÉRIAS. Pelo simples motivo de que: não são férias! E para que eu me mantenha atenta nos meus afazeres e na divisão entre o tempo de lazer e as demais coisas.

E por que eu posto esse tipo de coisa aqui? Pra você ver a desorientação...

terça-feira, 5 de julho de 2011

Porque as Aparências Enganam

Eu tinha várias coisas em mente para postar nesta chuvosa terça-feira do Recife. Porém, um de meus colegas de trabalho me mostrou um vídeo do Ben Saunders que talvez alguns de vocês até já tenham visto e ouvido. O cara foi o vencedor (me corrijam se eu estiver enganada) da edição do Ídolos holandês, o Voice Holland e tem uma voz e presença de palco incrível. Entretanto, o que mais me chamou atenção foi o corpo fechado de tatuagens, as orelhas alargadas e o estilo nada parecido com o que esperamos dos interpretes das músicas (muito bem) cantadas por ele.


Afinal, as aparências enganam.
Achei fantástico!



segunda-feira, 4 de julho de 2011

Eu Também Quero Assim


Gente de igreja tem dificuldade de quebrar regras e fazer música diferente! 
Eu sou chato pra caramba com música e quero coisa diferente, quero novos ritmos e letras ricas, quero a cadência do Cartola com o peso do Foo Fighters, quero a inocência do rei Roberto Carlos com o protesto do Rage Against the Machine ou do Public Enenmy, quero a inconsequência do Beastie Boys com a busca por um mundo melhor do U2! 
Não quero pouca coisa e não quero coisa ruim, mas acredito que assim que é o Reino dos Céus, não umas migalhinhas, mas um banquete com um monte de tipo de comida e com gente de uma pá de culturas diferentes!

Gustavo Nering - Crentassos


sexta-feira, 1 de julho de 2011

Encantos de Cordel


A feira que acontecerá nos dias 01 a 10 de julho tem como mote a arte dos cordéis, valores nordestinos, do Brasil e de 35 países, que homenageiam o gênero literário.
Serão mais de 800 espaços além da Estação Cordel, um lugar interativo em homenagem ao estilo literário. Artesãos do Brasil e do mundo todo se preparam para mais uma edição dessa feira que reúne arte, cultura, gastronomia, decoração, moda e música para apresentar a diversidade de seus estilos e tradições.


Você está convidado!
Inspire-se!

Tempo

Ilustração: Freepik Tempo, não desejo que passes devagar. Tão pouco concordo em passares rápido demais. Apenas passe no seu tempo e n...