Páginas

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Trânsito e gravidez

Pra falar a verdade, sempre pensei que quando eu engravidasse seria uma daquelas mulheres problemáticas, com pouca saúde, desmaiando pelos cantos e completamente dependente. PARA NOSSA ALEGRIA, nada disso aconteceu. Eu até tenho tido tive tonturas, mas desmaiar... ainda não. Minha pressão está perfeita, não engordei horrores e vou dirigir até quando puder - seria muita pretensão querer dirigir até o dia anterior ao parto?!
E aí que durante esse tempo de "grávida no trânsito" aprendi, me reeduquei e vivi muitas sustos coisas. Por exemplo:


  • É preciso controle para enfrentar os engarrafamentos. Passo quase 4 horas/dia - não seguidas - atrás do volante e sempre fui bastante estressadinha. Tive que me conscientizar do controle e paciência que preciso ter para manter tanto a minha saúde quanto a do bebê.
  • Paciência é fundamental. Todo mundo fala que para ser mãe é preciso de ALTAS DOSES de paciência. Desconfio que essa temporada da gravidez no volante tenha me ensinado muito sobre isso.
  • É preciso ter coragem. Tem que deixar de lado o medo dos sustos (que é a pior coisa no trânsito para uma grávida) e tomar coragem para enfrentar os carros, motos e monstros.
  • É preciso ter limites. Não adianta querer fazer mais do que a gente pode. Na gravidez a fadiga vem mais rápido. Ainda mais na fase em que começamos a inchar (estou chegando nessa fase ainda). Por isso é preciso saber quando parar.
  • Na dúvida, peça para alguém de confiança te levar ao seu destino. E eu ainda acrescentaria: alguém que te passe muita segurança, tá?!

Nenhum comentário:

Postar um comentário