Páginas

quinta-feira, 28 de março de 2013

Fogueira de Felicidades


Jorge Forbes

É uma pergunta frequente ao psicanalista: - Como posso ser feliz?

A ideia é que a felicidade é um bem que, se cumprirmos uma série de regras, deveremos em decorrência merecê-la. Felizes seriam os mais aplicados, a eles o reino da felicidade. Assim se passa nas férias, por exemplo. Busca-se com muita antecedência a montagem de um cenário perfeito, daqueles de anúncio de televisão. Seja uma casa direto na areia de uma praia maravilhosa, seja o seu avesso complementar, uma casa no alto da montanha, à beira de um lago, com uma cachoeira nos fundos do jardim. Daí, só escolher a melhor companhia, boa comida e bebida, uma cama macia em um quarto amplo e silencioso e ... bingo: - Sou feliz!

Qual o que, para a decepção da maioria, a felicidade não obedece a regras padronizadas. No lago de Como, na Itália, ocorreu algo interessante e ilustrativo. É um desses lugares paradisíacos, como o descrito acima. Pois bem, a associação dos locadores dos chalés da beira do lago baixou uma norma que qualquer locação de uma semana deveria ser integralmente paga na hora da reserva. Isso porque eles começaram a verificar que grande parte dos casais suportava ficar quarenta e oito horas, no máximo setenta e duas, naquele sonho terrestre. Depois, era briga na certa e saíam cada um para um lado.

Nada a estranhar, humano, demasiadamente humano. Sempre alguma coisa falha nas previsões da felicidade e isso por uma razão de estrutura: como não podemos colocar totalmente em palavras o nosso desejo, daí a sensação da falha, da falta de alguma coisa. E quando objetivamente não falta nada, quando tudo está perfeito, do barulho das ondas do mar, à temperatura da água da cachoeira, aí, então, quem vai pagar o pato dessa sensação de algo a mais ausente é o pobre do parceiro; simples assim.

Vem então a queixa: - Ela não me entende, diz ele, - Ele não me sente, diz ela. E toca a fazer teorias de salão para explicar o eterno desencontro. Um afirma que o que está ocorrendo é que os homens estão apavorados com a liberdade feminina, outro que as mulheres são muito difíceis, eternas insatisfeitas etc. As explicações variam conforme a época, mas o fenômeno é sempre o mesmo: alguma coisa acontece nos corações muita além de qualquer razão. E não venham dizer que agora o sexo está melhor que antes, pois na base do cada vez melhor, se estivermos melhorando desde os gregos, já pensou, vamos ter uma explosão orgástica.

Não, nada disso, nada de receita de felicidade. Ao contrário do bom senso – que sempre pensa mal – a felicidade não é bem que se mereça. Como diria o poetinha, ela vem da arte do encontro, do acaso, da surpresa, a tal ponto que quando estamos de fato felizes entramos em crise de identidade, se perguntando quem é esse cara, esse cara sou eu? Para ser feliz uma só dica: aguentar nem que seja por um instante o amor que não se compreende, que explode qualquer cenário, que nos leva a habitar o mais forte que eu.

E boas férias!

(artigo publicado na revista IstoÉ Gente - janeiro 2013)
(grifos meus)  

Nenhum comentário:

Postar um comentário