Páginas

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Beleza, autoestima e pequenas reflexões

Nunca fui uma mulher muito vaidosa; sempre soube de alguns truques, ia algumas vezes no mês ao salão de beleza e tentava manter as unhas em dia. A minha irmã escreve num blog de beleza e é maquiadora profissional, então, muitas dicas e produtos eu pegava com ela. E assim não era difícil manter uma maquiagem digna, o cabelo arrumadinho e o mínimo de vaidade (f)útil. Sabe como é né?!

No entanto, tudo mudou quando a maternidade chegou.

Estive refletindo se quando a gente é mãe dá mesmo essa preguiça de certas coisas. Porque eu não consigo definir essa minha 'falta de vaidade' com outra palavra senão "preguiça". É claro que nenhuma mulher quer se sentir feia. Mas uma coisa é certa, se você é mãe de um rapazinho no auge dos 17 meses tem que ter muita garra para acordar ainda mais cedo - ou dormir mais tarde - pra deixar o cabelo 'naquele grau'. Ou para sair de casa com a maquiagem impecável.
Para mim, já é um esforço bastante grande conseguir tempo - e disposição - para separar uma mísera horinha do meu dia para ir ao pilates. Muito mais esforço é manter a frequência. Então chega uma fase do mês (geralmente a TPM) que a gente fica 'pra baixo', sentido-se feia, gorda e mal arrumada. Eu fico meio depressiva para falar a verdade. A falta de controle do meu tempo (que, em muito, é culpa minha) me entristece. E assim, não poder separar um tempo para cuidar de mim me deixa ainda mais 'caidinha'.

E 'caidinha' em todos os sentidos. Né?

Além disso, estava refletindo noutro fato que não colabora com minha autoestima: sou a típica mulher normal. Ou melhor, sou uma mulher de beleza comum, ou ainda, não sou (e provavelmente nunca serei) do tipo mulherão. E qual o problema disso? Nenhum. Afinal, temos muito mais mulheres normais que 'do tipo mulherão'. A grande questão é que mulheres normais precisam de um pouco mais de exercício mental para aprimorar suas belezas.

Confesso que tento muito não culpar a maternidade, nem o fato de trazer o garotinho para o trabalho, muito menos o fato de que ter uma empresa implica em não ter horários bem definidos, as vezes não ter horário do almoço, nem hora para largar e por aí vai... Pois sei que tem gente que faz muito mais que eu e, no entanto, tem seus cuidados com a pele, com o cabelo e com a maquiagem e não deixa a peteca cair.

Eu gostaria de ter essa receita, essa garra, e essa fé. Mas não tenho. Invés de acordar mais cedo - tipo umas 4:15 da manhã - para fazer uma boa chapinha, eu prefiro (acordar as 5h e) passar o dia de cabelo amarrado. É. Não posso reclamar. São as minhas escolhas. Sei que chegará um tempo que poderei me dar certos luxos, inclusive os de cuidados com beleza. E ainda não é agora.

Não que eu esteja me conformando. Mas hoje tenho que me conformar com o mínimo - que para mim é hidratante no corpo depois do banho -. E assim seguimos.

Instagram

2 comentários: