Páginas

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Sensações

Das sensações que me perseguem constantemente a de "estar deixando algo inacabado" é a mais pertinente. Sempre tenho a impressão que nada meu está finalizado. Sempre saio da empresa pensando no que deixei de fazer. Sempre fecho a janela do navegador de internet sentindo que deveria ter lido tudo, e mais, e mais.

Creio que essa sensação é fruto da necessidade gerada em nós para estarmos informados sobre tudo, inclusive sobre a vida dos outros (oi Facebook!), as notícias do mundo, o ebola, as eleições e a previsível queda das vendas no Natal... daí que me sinto perdida em meio a tudo isso. Funciono no automático muitas vezes durante o dia, durante a semana, durante o mês. Creio, inclusive, que fiquei muito mais no automático esse ano do que gostaria. E, cá entre nós, sei que essa realidade não é só minha.

Como leio muito sobre minimalismo (só leio, praticar que é bom...) gosto de ter em mente essa questão de simplificar determinadas coisas. Por isso, muito me chama a atenção a questão do minimalismo quanto as informações que absorvemos no dia a dia. O que de fato é relevante para mim? E por qual motivo cliquei na notícia da última novidade da Miley Cyrus? Por que não clicamos em algo que realmente nos importa? E por que saber da vida dos outros nos atrai?

Eu não sei bem a resposta para essas perguntas, mas eu sei que posso perder muito tempo quando encaro uma dessas situações.

E é justamente a escolha de gastar esse tempo que - de certa forma - me consome. Aquela sensação que descrevi acima ocorre quase sempre nesse sentido. E ocorre sempre. E depois. E depois. Pois sempre precisamos deixar algo por fazer, por ler e pra depois. É normal. É a vida. E é bonita e é bonita..!

Além de tudo isso, sou mãe. E acho que não tem pessoa no mundo mais procrastinadora do que essa. Não é por mal. É nosso mesmo. É colocar o filho na frente de tudo. Deixando o que resta sempre - SEEEEMPRE! - pra depois.

E assim seguimos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário