Páginas

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Pequenos conflitos maternos (sacrificios vs. corpo perfeito)





O que é melhor? A satisfação com seu corpo? Suas medidas e o número da sua roupa? Ou, a satisfação de poder comer e beber o que desejar?

A maior parte dos brasileiros, em especial as brasileiras, precisa de sacrifícios com a alimentação, e exercícios diários para manter o corpo numa forma que lhe seja desejável.

Sou mãe de dois e como já postei aqui, minha aparência melhorou em 200% depois do casamento e maternidade. Depois do 2º filho também não tive problemas com a aparência... Até que adoeci com a chikungunya; e desde então meu peso só aumentou. Não sei se tem relação ou se é pelo fato da tireoide também não me ajudar. Então o metabolismo lento somado a essas arboviroses só me complicaram.

Andei querendo ‘me cuidar’, mas quem tem criança pequena sabe que atender a esse desejo não é tão simples. Compramos uma bicicleta. Cuidei do que comer. Mas... Não deu.

A verdade é que o sacrifício com a comida, ou com acordar muito mais cedo (diga isso para uma pessoa acorda NORMALMENTE as 5h00 e sai de casa as 5h30 pra ver onde ela acha tempo) para as atividades físicas não são pra mim.
Adoro comer! Sinto prazer nisso. Além do mais, passei um período depressivo em que a comida era meu alivio e compreensão.
Então, bem vinda aos lindos 10 (DEEEZ!!) QUILOS ganhos de fevereiro até a presente data.

Fiquei pensando que adoraria ter a tal força de vontade e foco que tanto é pregado por aí. Mas não tenho. Eu prefiro comer. E eu prefiro comer de tudo. É tão difícil o dia a dia. É tão cansativo meu dia, minha vida. Que eu não consigo sacrificar meus pequenos momentos de prazer (comer, dormir, assistir uma série – por 5 minutos - ) por uma culinária saudável ou meia hora de pedal.

Daí que andei pensando quantos de nós, ou melhor, quantas de nós, mães, passam por este conflito. A gente quer se cuidar, voltar a forma ‘original’ ou melhorá-la, ou só se distrair;  mas acaba desistindo pelo simples fato de que a maternidade nos suga tanto, que o restante dos sacrifícios tornam-se descartáveis. E é por pensar nisso, e entender que eu não preciso de certos sacrifícios para o momento atual, vou tentando não me arrepender do chocolate, do churrasco e das poucas horas no Netflix, mesmo que algumas vezes (que não são poucas) me sinta feia e insegura.


Um comentário:

  1. To no mesmo dilema, ganhei 7 kilos, emagreci 3 que ganhei novamente e assim vai. Mas como bem abordado aqui, sinceramente... Comer tem sido um dos poucos prazeres pessoais que me restou, os outros desde a maternidade não são tão mais pessoais assim.

    ResponderExcluir