Páginas

terça-feira, 18 de abril de 2017

Dificuldades na mudança de estilo


Desde 2016 estou buscando categorizar o meu estilo, a fim de ter um 'norte' para adiquirir novas peças e transformar meu armário em algo mais condizente com a imagem que quero ter e transmitir. Nas minhas pesquisas e estudos me familiarizei com estilo // Comfy Chic // e, posteriormente, passei a ler mais sobre minimalismo e sobre a influência dele no guarda roupa.

Além de me identificar com ele, senti que não só a imagem que quero transmitir, como também, a facilidade e simplicidade que preciso para ajudar no meu dia a dia, o tornam a favor de mim.

Então, olhei bem para o meu armário e percebi a grande quantidade de peças que tenho e que estão sem uso por várias razões. A primeira e maior delas é que engordei. Pelo menos uns 10 kilos de fevereiro de 2016 para cá. É claro que quero emagrecer e estou em meio as visitas médicas para tal. No entanto, também sei que isso leva um pouco de tempo (ainda mais se minha genética e metabolismo complicam as coisas), e nesse tempo eu preciso vestir algo não é?

As outras dificuldades referem-se a fatores externos. Segue abaixo:

// ESTAMPAS //
Eu ando pelas lojas e me pergunto: será que é mais barato confeccionar roupa estampada que roupa lisa? Bom, eu não entendo de moda enquanto comércio. Desde que decidi moldar meu estilo ao minimalismo chique e confortável, ainda não consegui comprar nenhum peça de roupa (só estou me desfazendo) pois simplesmente não encontro boas peças lisas e de cores neutras.

// TECIDOS //
Outro fator importante de não ter adquirido nenhum vestuário ainda também está ligado a como as roupas estão cada vez mais caras e com a qualidade pior. Olha, aqui no Recife é quente pra caramba, e eu entendo que roupinhas de malha são as que mais vendem justamente pelo baixo preço (se você garimpar muito) e por serem, digamos, mais fresquinhas. Encontrar algo bonito, de tecido, e com menos de 50% de poliéster é como uma Odisseia.

// NUMERAÇÃO //
Olha, eu engordei 10 kilos no último ano, mas minha numeração é a mesma desde que eu tinha 18 anos, afinal, eu também nunca fui 'sequinha'. Mesmo assim, entre encontrar uma numeração que caiba e uma que fique confortável existe um grande abismo e uma grande falta nas lojas como um todo.

Estava lendo sobre moda e estilo, estudando sobre os estilos e retendo o que posso aplicar no meu dia a dia; e percebi que essas reclamações são recorrentes. O que percebo é que muitas lojas de fast fashion estão acostumadas a vender roupa para um público em que não estou inclusa, pelo tamanho que visto e por quão crítica  estou ao consumir¹ 'moda'.

¹: Essa é uma tendência de qualquer consumidor que se identifica tanto com um assunto, que começa a estudar sobre o mesmo e percebe o quanto estava equivocado.


3 comentários:

  1. Engraçado. Vi há pouco tempo este documentário:
    https://www.youtube.com/watch?v=0Co1Iptd4p4
    sobre o minimalismo. Uma das coisas que falam, a propósito da roupa é do projeto 333. Conheces?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também vi o documentário. Achei interessante. Um pouco drástico o que algumas pessoas decidem para suas vidas. Mas, muito pertinente, sem dúvidas. Irei pesquisar mais sobre o projeto 333.

      Excluir
    2. Waterfall, vi agora que não estava "ligando o nome a pessoa". Para mim, o projeto 333 é conhecido como armário cápsula. E foi quando encontrei essa definição que comecei a pesquisar sobre minimalismo. Vou fazer uma postagem explicando como algumas coisas desse sentido estão funcionando para mim.

      Excluir